Chichén Itzá é um verdadeiro mergulho na história Maia e estávamos muito empolgados para visitar esse lugar repleto de história. A cidade foi considerada uma das sete maravilhas do mundo moderno e declarada Patrimônio Mundial da Unesco em 1988, para nós sem dúvida alguma esse seria um dos pontos altos de nossa viagem.

O sítio arqueológico está localizado no Estado de Yucatán e atualmente Chichén Itzá é um dos mais visitados no México atraindo milhões de turistas todo ano. Algumas pessoas acreditam que  Chichén Itzá se resume apenas a pirâmide, mas é muito mais que isso. Os Maias eram super inteligentes e possuíam um enorme conhecimento astronômico e matemático. As cidades Maias, como  a que você verá em Chichén Itzá, possuía avenidas, calçadas… construções milimetricamente planejadas, como o Templo de Kukulcán (a “pirâmide”).

Para chegar à cidade você pode contratar passeios em Cancún e Playa del Carmen, ir de ônibus ou alugar um carro. São 324km a partir de Cancún e 286km desde Playa. Nós amamos uma viagem de carro e dessa vez não foi diferente, optamos por alugar e contamos tudo sobre nossa experiência e como é dirigir em Cancun aqui.


Leia também:  →  Vale a pena alugar carro em Cancún?

→ Joyà: Cirque du Soleil em Cancún
→ Cancun – nova lei de venda e consumo de álcool limita horário
→ Hard Rock Hotel Cancun – All Inclusive
→ Hyatt Ziva Cancun – a melhor localização


Escolhemos ir à Chichén Itzá em um dia que estivesse nublado ou chuvoso em Cancun, mas que estivesse com tempo bom em Yucatán. Essa foi uma grande vantagem em estarmos de carro, sem falar de toda a liberdade. Achamos a estrada bem sinalizada e utilizamos o Google Maps do celular no trajeto. Saímos de Cancun bem cedinho e chegamos ao sítio arqueológico ainda vazio.   Foi maravilhoso, pois conseguimos desfrutar do local com tranquilidade e pelo tempo que desejávamos. Vimos tudo com muita calma, tiramos muitas fotos e pudemos ficar ali imaginando como era a vida naquela época.

 

Chichén Itzá foi um dos mais importantes centros políticos e religiosos dos Maias. Assim que você entra logo se depara com a mais importante e famosa pirâmide Maia, El Castillo, também conhecida como a Pirâmide de Kukulcán. A construção representa o calendário Maia e cada degrau é um dia do ano, somando 365 degraus. Atualmente não é mais possível subir até o topo da pirâmide para que continue preservada (as pirâmides nos sítios de Cobá e Teotihuacan – próximo da Cidade do México – ainda permitem).

Algumas curiosidades:

– Chichén Itzá significa “a entrada do poço sagrado” (Chi = boca / Chén = poço / Itzá = sagrado), é uma referência ao cenote sagrado. Os Maias acreditavam que o deus das chuvas vivia no fundo desse cenote.

– Duas vezes por ano (21 de março e 21 de setembro) acontece um fenômeno de luzes e sombras que projetam a imagem de uma serpente subindo ou descendo as escadarias da grande pirâmide.

– As construções têm uma acústica incrível e em alguns locais você pode bater palmas e ouvir eco com som de uma ave (quetzal).

– Lá encontramos o maior campo da Mesoamérica onde era realizado o Juego de Pelota. Dizem que esse jogo valia literalmente a vida do ganhador. Os jogadores utilizavam bolas muito pesadas que deviam ser passadas com os quadris em aros altos. Esses aros ainda hoje estão bem conservados e pudemos ver bem de pertinho. Aqui aproveite para bater palmas e ouvir a acústica do local.

 

Chichén Itzá é um lugar enriquecedor, ficamos admirados com sua história, sua energia e te falo que vale muito a pena conhecer isso tudo pessoalmente. Ir a essa região do México e não conhecer mais a fundo a história da civilização Maia seria um enorme desperdício.

 Além da pirâmide (El Castilho – o templo de Kukulcán) e do campo do Juego de Pelota você também encontrará o Templo dos Guerreiros, o Observatório, o Cenote Sagrado…

 

Dicas do Bagagem:

– Ficamos admirados com a enorme quantidade de vendedores de artesanato dentro do Sitio Arqueológico, estão por todos os lugares. Antes de nossa visita havíamos lido que agencias indicam não comprar dentro de Chichén Itzá por se tratar que produtos falsos. O que vimos foram trabalhadores, muitos fazendo seu artesanato ali, no local, tentando ganhar a vida honestamente. Lindos trabalhos com preço muito menor do que em outros lugares. Então se tiver tempo pare, olhe e julgue por você mesmo;

– Chichén Itzá não possui muitos lugares com sombra, aconselhamos levar água, protetor solar e chapéu/ boné, além de ir com roupas leves e sapatos confortáveis.  No dia que visitamos não estava um dia super ensolarado e mesmo assim estava muito quente;

– Você irá encontrar uma boa estrutura de lanchonetes e banheiro localizados do lado de fora do Sitio;

– Ao comprar seu ingresso na bilheteria não deixe de pegar seu mapa;

– Logo na entrada já compre sua garrafa de água;

– Caso faça o passeio por conta própria poderá contratar um guia na entrada – Você encontrará vários oferecendo seu trabalho em inglês, espanhol e até um portunhol;

Trajeto feito de Cancun à Chichén Itzá (Aproveite sua ida à Chichén Itzá  e conheça também o Cenote Ik-kil e a cidade de Valladolid)

 


Michele e Célio – Bagagem para Dois